• publicado em 22.07.2011
  • Pontualidade de pagamento
  • Das micro e pequenas cai em junho
  • Queda aconteceu pelo 4º mês seguido, aponta Serasa Experian
    Pontualidade atingiu 95,1% no mês passado, recuo de 0,3 ponto percentual.

    A pontualidade de pagamentos das micro e pequenas empresas caiu 0,3 ponto percentual em junho na comparação com o mesmo mês do ano passado, a 4º queda seguida, aponta nesta sexta-feira (22) a empresa de análise de crédito Serasa Experian.

    Em junho, a pontualidade atingiu 95,1%, o que significa que, durante o mês passado, a cada 1.000 pagamentos realizados, 951 foram quitados à vista ou com atraso máximo de sete dias, diz a empresa.

    No acumulado do primeiro semestre do ano, a pontualidade de pagamentos ficou em 94,7%, patamar idêntico ao do mesmo período do ano passado. “A estabilidade foi obtida graças aos primeiros meses do ano, já que desde março de 2011 os níveis de pontualidade mostraram-se inferiores aos verificados nos meses homônimos do ano passado”, diz a Serasa, em nota.

    De acordo com os economistas da Serasa, a alta dos juros e o consequente aperto nas condições de crédito estão produzindo efeitos adversos sobre o custo financeiro e o caixa das micro e pequenas empresas, afetando negativamente a pontualidade de pagamentos junto aos seus credores, financeiros e operacionais.

    Em junho, as maiores quedas em comparação a junho de 2010 ocorreram nas micro e pequenas empresas industriais (recuo de 0,5 ponto percentual) e de serviços (queda de 0,7 ponto percentual). Nas micro empresas do setor comercial houve elevação de 0,1 ponto.

    Valor dos pagamentos

    O valor médio dos pagamentos efetuados pontualmente pelas micro e pequenas empresas durante em junho atingiu R$ 1.654,59, recuo de 4,9% em relação ao verificado em maio.

    No acumulado do primeiro semestre de 2011 em relação ao mesmo período do ano passado, o valor médio dos pagamentos pontuais subiu 4,6% (R$ 1.567,78 contra R$ 1.499,09), abaixo, portanto, da inflação acumulada no período (6,3%, medida pelo IPCA do IBGE).

    “A queda do valor, em termos reais, dos pagamentos pontuais na média do primeiro semestre é um sinal adicional de dificuldade que as micro e pequenas empresas estão encontrando em quitar seus compromissos em dia”, observam os economistas da Serasa.

    O indicador

    O indicador é construído através dos pagamentos efetuados, mensalmente, por amostra de cerca de 600 mil micro e pequenas empresas, totalizando uma quantidade de, aproximadamente, 8 milhões de pagamentos registrados mensalmente, por seus fornecedores, nas bases de informações sobre pessoas jurídicas da Serasa.

    A Serasa considera como micro e pequenas empresas aquelas cujo faturamento líquido anual não ultrapassa o montante de R$ 4 milhões.

    Fonte: G1