• publicado em 20.07.2011
  • Governo não age para evitar desindustria
  • diz Ivo Rosset
  • A indústria têxtil brasileira vive sua maior crise e se nada for feito pelo governo no sentido de reavivá-la, 2,5 milhões de empregos correm o risco de evaporar em questão de poucos anos.

    O alerta é de Ivo Rosset, proprietário do Grupo Rosset, que detém 65% do mercado de produção de tecidos no país, e também as marcas Valisère e Cia Marítima, informa reportagem de Morris Kachani para a Folha.

    O elo fraco da cadeia que alimenta esta indústria, de acordo com, ele está no setor das confecções (corte e costura dos tecidos para a produção de roupas), que têm sofrido com a concorrência das mercadorias chinesas, mais baratas e nem por isso com qualidade inferior.

    "Nada foi feito nos últimos vinte anos. O país está caminhando para a desindustrialização e o governo não está agindo", adverte.

    Rosset é um dos empresários com melhor trânsito em Brasília. Encontrou-se com Lula e com Dilma diversas vezes, e conversa frequentemente com o ministro Mantega. Foi um dos primeiros empresários a apoiar o PT e filiou-se ao partido em 2009.

    Há um mês, esteve na capital federal como representante do setor têxtil, quando apresentou uma proposta de aliviar a carga tributária das confecções adotando o regime do Simples como imposto único, independentemente do faturamento.

    Fonte: Folha