• publicado em 06.07.2011
  • Mostra Affemaq 2011
  • Aposta em cidades consideradas “polos moveleiros emergentes”
  • O primeiro de três eventos foi realizado em Belo Horizonte, entre 28 e 30 de junho

    A cidade de Belo Horizonte foi a primeira a receber a 6ª edição da Mostra Affemaq em 2011, realizada pela Associação dos Fornecedores para as Indústrias de Madeira e Móveis (Affemaq). Entre os dias 28 a 30 de junho a capital mineira foi palco de rodadas de negócios, palestras técnicas e coquetéis de relacionamentos, tudo com foco nos marceneiros e demais produtores de móveis da região.

    Segundo a Associação, as cidades escolhidas para receberem os eventos deste ano são áreas emergentes na produção de mobiliário no País. No ano passado um mapeamento foi realizado para identificar os principais municípios que apresentaram crescimento na produção de móveis e, a partir disso, foram selecionadas as cidades de Belo Horizonte, Recife (PE) e Linhares (ES). Nestas duas últimas as mostras serão promovidas em agosto e outubro, respectivamente.

    De acordo com a organização, a primeira Mostra Affemaq do ano foi satisfatória, pois atingiu as expectativas e foi bem recebida em uma cidade que ainda está desenvolvendo seu setor de fabricação moveleira.

    "Belo Horizonte é ainda um polo em crescimento, não possui, por enquanto, todas as informações necessárias e está em processo de conhecimento acerca deste setor produtivo. Mesmo assim, avaliamos muito bem este primeiro evento do ano. As visitações ficaram acima do esperado e adquirimos mais experiência para as próximas mostras que estão por vir", avaliou o presidente da Affemaq, Euclides Rizzi.

    Na visão do Sindicato das Indústrias do Mobiliário e Artefatos de Madeira do Estado de Minas Gerais (Sindimov-MG), uma das entidades apoiadoras da Mostra Affemaq BH, o evento reuniu considerável quantidade de empresários do setor. De acordo com Cibelle Costa, coordenadora administrativa do sindicato, a Affemaq foi ousada em direcionar seus esforços em uma região que é considerada como "emergente" na produção de mobiliária.

    "Vejo que Minas Gerais merece a atenção de importantes organizações do setor moveleiro e que, talvez futuramente, venha a receber um grande evento deste segmento", diz a coordenadora.

    Segundo Rizzi, uma dos desafios encontrados nesta primeira Mostra Affemaq de 2011 foi atrair o marceneiro para o evento. "Fazer com que este empresário saia de sua oficina é sempre complicado. Muitas vezes ele sofre com a falta de tempo ou mesmo não toma conhecimento de importantes encontros do seu setor", explica o presidente da associação.

    "Estamos buscando desenvolver cada vez mais nossos mecanismos de divulgação e conscientizar o marceneiro de que ele precisa conhecer as novas tecnologias que estamos apresentando", prosseguiu. Cibelle compartilha dessa posição e diz que as pequenas empresas do ramo moveleiro precisam aproveitar melhor as oportunidades.

     

    Fonte: Emobile