• publicado em 27.06.2011
  • Déficit em conta corrente
  • Dobra em maio
  • Segundo o Banco Central, o déficit somou R$ 4 bilhões no período, o dobro em relação ao mesmo mês do ano passado

     

    O déficit na conta corrente do balanço de pagamentos brasileiro ficou em maio em US$ 4,103 bilhões, de acordo com dados divulgados há pouco pelo Banco Central. O resultado foi o dobro do verificado em igual mês do ano passado.

    Segundo o BC, o déficit acumulado no ano na conta corrente é de US$ 22,172 bilhões, o correspondente a 2,26% do PIB. De janeiro a maio de 2010, a conta corrente teve saldo negativo de US$ 18,574 bilhões, o correspondente a 2,18% do PIB. Nos últimos 12 meses encerrados em maio, o déficit em conta corrente foi US$ 50,964 bilhões, ou 2,29% do PIB.

    No resultado da conta corrente em maio a balança comercial contribuiu com superávit de US$ 3,527 bilhões enquanto a conta de serviços e rendas teve déficit de US$ 7,937 bilhões. As transferências unilaterais somaram US$ 307 milhões. De janeiro a maio, a balança comercial contribuiu com superávit de US$ 8,559 bilhões; a conta de serviços com déficit de US$ 32,123 bilhões e as transferências unilaterais somaram US$ 1,392 bilhão.

    Viagens

    Os gastos com viagens internacionais totalizaram US$ 5,450 bilhões, de janeiro a maio. Somente no mês de maio, os gastos de brasileiros com viagens ao exterior somaram US$ 1,120 bilhão. A projeção do Banco Central é de que os gastos com viagens internacionais encerrarão o ano em US$ 15 bilhões.

    Lucros e dividendos

    A remessa de lucros e dividendos totalizou US$ 4,189 bilhões no mês de maio. No acumulado de janeiro a maio, as remessas somam US$ 14,704 bilhões. Ainda segundo o BC, as despesas com juros somaram US$ 90 milhões em maio e alcançam US$ 3,126 bilhões no acumulado de janeiro a maio.

    Taxa de rolagem

    A taxa de rolagem dos empréstimos a médio e longo prazos ficou em 521%, no mês de maio. A taxa de rolagem para bônus, notes e comercial papers, em maio, foi de 468%, enquanto para empréstimos diretos a taxa ficou em 589%.

    No acumulado de janeiro a maio a taxa de rolagem para os empréstimos a médio e longo prazo foi de 498%, sendo que para bônus, notes e comercial papers a taxa foi de 916%, no acumulado dos cinco primeiros meses do ano. Para os empréstimos diretos, a taxa de rolagem de janeiro a maio foi de 327%.

    Fonte: Estadão