• publicado em 30.05.2011
  • Projeção para IPCA em 2011
  • 5,6% segundo Fazenda
  • O Ministério da Fazenda elevou sua previsão para a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2011, de 5% para 5,6%, de acordo com o documento Economia Brasileira em Perspectiva, relativo ao primeiro bimestre deste ano. Os dados foram divulgados no site do ministério (www.fazenda.gov.br). Para 2012, a perspectiva de inflação passou de 4,5% para 4,6%, um pouco acima do centro da meta fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), de 4,5%.

    Com a revisão, os números se aproximam mais das estimativas de mercado, mas ainda estão abaixo desse patamar. Segundo o boletim Focus, divulgado hoje pelo Banco Central (BC), o mercado espera que o IPCA feche este ano com alta de 6,23% e, em 2012, com crescimento de 5,1%. No dia 20 de maio, o Ministério do Planejamento divulgou uma projeção para a inflação de 5,7% em 2011. "A acomodação da atividade econômica numa taxa de crescimento mais sustentável em 2011 levará à menor pressão sobre os preços a partir do segundo semestre", afirma o Ministério da Fazenda no boletim.

    O documento destaca que, desde 2005, a inflação medida pelo IPCA tem se mantido dentro das bandas do regime de metas para a inflação. Além disso, justifica a inflação de 5,9% em 2010. Segundo a Fazenda, ela foi influenciada, entre outros fatores, pela rápida recuperação do crescimento econômico, após os impactos negativos da crise no ano anterior.

    O boletim destaca ainda que, no acumulado de 12 meses até fevereiro de 2011, os gastos com alimentação, despesas pessoais, vestuário e educação foram responsáveis por cerca de 67% da inflação medida pelo IPCA. "A tendência é que os preços de tais grupos comecem a ceder ao longo do ano", destacou o documento.

    Fonte: Estadão