• publicado em 20.04.2011
  • IPCA-15
  • Abril fica em 0,77%, ante 0,60% em março
  • A taxa foi superior também à apurada em abril de 2010, quando o IPCA-15 subiu 0,48%

     

    Com uma forte alta dos grupos Alimentação e Transportes, a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) acelerou neste mês de abril, passando para 0,77%, após uma alta de 0,60% em março. O resultado, divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo AE Projeções, que esperavam inflação entre 0,64% e 0,86%, com mediana de 0,77%.

    A taxa foi superior também à apurada em abril de 2010, quando o IPCA-15 subiu 0,48%. Com o resultado anunciado hoje, o IPCA-15 acumula taxas de inflação de 3,14% no ano e de 6,44% em 12 meses até abril.

    Grupos

    Os preços de alimentos e transportes foram os principais responsáveis pela aceleração da inflação medida em abril pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15).

    A alta no grupo Alimentação e Bebidas passou de 0,46% para 0,79%, enquanto Transportes saiu de 1,11% para 1,45%. Os grupos foram responsáveis por  0,46 ponto porcentual da variação registrada pelo IPCA-15 no mês, sendo 0,27 ponto porcentual de Transportes e 0,19 ponto de Alimentos, o que significa 60% do índice.

    No grupo Transporte, a principal alta foi verificada nos combustíveis, com elevação de 5,26% no mês. A gasolina passou de 0,76% para 4,28%, enquanto o etanol saiu de 4,68% para 16,40%. Também contribuíram as tarifas dos ônibus urbanos (de 0,83% para 0,62%) e intermunicipais (de 1,94% para 0,87%), embora tenham desacelerado em abril.

    Na outra ponta, as passagens aéreas apresentaram queda de 9,39% contra uma alta de 29,16% em março. Os automóveis novos continuaram em queda, saindo de recuo de 0,29% para uma baixa de 0,39%.

    Entre os Alimentos, contribuíram para a aceleração do grupo a cebola (de 3,67% para 22,56%), o leite pasteurizado (de -0,38% para 1,58%), a batata-inglesa (de 9,66% para 10,05%%), o feijão carioca (de -6,91% para 5,99%), os pescados (de 0,08% para 2,91%), ovo (de 4,22% para 4,43%), frango em pedaços (de 1,53% para 2,45%), e café moído (de 2,09% para 2,10%).

    Fonte: Estadão