• publicado em 20.04.2011
  • Pesquisa revela:
  • 92% das empresas têm dificuldade em contratar profissionais
  • Companhias já reduzem exigências e promovem políticas para reter os funcionários

    O Brasil vive um bom momento econômico, com mercado aquecido e está no centro das atenções de empresários de todo o mundo. Para se ter uma ideia, em 2010 o Produto Interno Bruto (PIB) nacional cresceu 7,5% com relação a 2009, como foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no começo de março deste ano. O último relatório Focus – a estimativa de mercado divulgada semanalmente pelos analistas do Banco Central – prevê que em 2011 o crescimento poderá ficar na casa dos 4%.

    No entanto, mesmo com este cenário favorável, o empresariado brasileiro de todos os setores enfrenta um grande problema: a falta de mão de obra qualificada.

    A Fundação Dom Cabral, centro de desenvolvimento executivo com sede em Minas Gerais, realizou uma pesquisa com 130 empresas de grande porte no Brasil e concluiu que a carência de profissionais afeta todas as regiões averiguadas nos níveis operacional, técnico, tático e estratégico.

    Em uma análise geral, 92% das empresas verificadas declararam encontrar problemas nos processos de contratação. A maior dificuldade, relatada por 45,38% dos entrevistados, está na hora de contratar profissionais técnicos (produção, operação e manutenção). Engenheiros mecânicos e gerentes de projetos ocupam a segunda e a terceira colocações, respectivamente, com 33,85% e 29,23%.

    Os principais desafios para se contratar profissionais, segundo a pesquisa, residem na escassez de mão de obra capacitada (81% das empresas), falta de experiência na função (49%), deficiência na formação básica (42%), corresponder à pretensão salarial dos candidatos (35%), aceitar trabalhar fora da região onde mora a família do candidato (24%) e características pessoais incompatíveis com a ideologia da empresa (15%).


    Caem as exigências



    Diante dessas dificuldades e desafios na busca pelo profissional ideal para ocupar determinado cargo, as empresas estão reduzindo suas exigências para a contratação. No nível técnico e operacional, 54% delas afirmaram flexibilizar os requisitos na avaliação dos candidatos. Por outro lado, a pesquisa revela que 69% das companhias não diminuíram suas exigências ao menos nas vagas de área tática e estratégica.


    Na hora das incorporar pessoal técnico e operacional as contratantes estão abrindo mão, sobretudo, de experiência na área e habilidades técnicas. Ao contrário de exigir uma capacitação prévia do funcionário, 78% das empresas afirmaram realizar alguma política de retenção de profissionais.

    Fonte: Emobile