• publicado em 15.04.2011
  • CNI
  • Revisa baixa projeção de crescimento do PIB
  • A CNI (Confederação Nacional da Indústria) revisou para baixo a taxa de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2011. Segundo a entidade, a expansão da economia do Brasil deverá ficar em 3,5% nesse ano, menos da metade do registrado em 2010, quando o PIB foi de 7,6%. A nova previsão fica abaixo da meta estipulada pelo governo em 2011, que é de 5%.

    'O quadro mudou nesse inicio de ano com a inflação mais alta e a entrada de capital externo. Dessa forma, essa pressão de custos exige uma nova resposta da política econômica', explicou o economista-chefe da CNI, Flávio Castelo Branco.

    Para o PIB Industrial, a CNI também revisou para baixo a projeção de crescimento, passou de 4,5% em dezembro de 2010 para 2,8%. O consumo das famílias foi revisado de 5,1% para 4,5% na projeção e a taxa de desemprego se manteve em 6,0%.

    O documento Informe Conjuntural divulgado pela CNI nesta sexta-feira traz ainda revisões para índices de inflação, de câmbio e de juros. Na inflação, a CNI aumentou de 5,0% para 6,0% o índice medido pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), resultado pouco abaixo do centro da meta do governo para o indicador, que é de 6,5%.

    A previsão da entidade para o valor do dólar no fim deste ano recuou de R$ 1,70 para R$ 1,63. Já a projeção para a taxa básica de juros da economia (Selic) deve chegar a 12,50% ao fim do ano. Isso representa um aumento de 0,75 pontos percentuais em relação ao patamar atual, que é de 11, 75%.

    CONTAS PÚBLICAS

    A CNI revisou para baixo a previsão para o deficit público nominal, de 3,20% para 3,05% do PIB. A estimativa para a dívida pública líquida, também apresentou queda de 40,4% para 39,9% do PIB. O superavit primário (economia para pagamento dos juros da dívida) alcançará 2,7% do PIB, em vez dos 2,2% previstos anteriormente.

    A entidade também corrigiu para cima a previsão para as exportações em 2011, de US$ 228 bilhões para US$ 250 bilhões, bem como para as importações, de US$ 224 bilhões para US$ 230 bilhões. Com isso, a estimativa de saldo comercial para 2011 saltou de US$ 4 bilhões para US$ 20 bilhões.

    Em relação ao setor externo, a CNI elevou de US$ 228 bilhões para US$ 250 bilhões a projeção para o volume de exportações do ano. A previsão para as importações também apresentou alta, passou de US$ 224 bilhões para US$ 230 bilhões.

    Fonte: Folha