• publicado em 02.03.2011
  • Preço ao consumidor em SP
  • Desacelera em fevereiro, diz Fipe
  • A inflação ao consumidor na cidade de São Paulo perdeu força em fevereiro ao desacelerar para 0,60% ante alta de 1,15% em janeiro. Os dados do IPC (Índice de Preços ao Consumidor) no município foram divulgados nesta quarta-feira pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

    No acumulado dos últimos 12 meses, a variação foi de 6,05% (março de 2010 até fevereiro deste ano).

    A expectativa do mercado era de que o indicador desacelerasse devido a sazonalidade e despesas extras concentradas em janeiro, como reajuste de mensalidade escolar e de tarifas de transportes públicos.

    A variação mais sentida pelo consumidor foi a do grupo de despesas pessoais, que variou de 1,24% em fevereiro, ante 0,85 em janeiro. Transporte também continuou com forte variação, mas arrefeceu em relação ao mês anterior, caiu de 3,18% para 1,16% em fevereiro. O grupo sofreu pressão dos reajustes do metrô em 13 de fevereiro (passou de R$ 2,65 para R$ 2,90) e nos transporte intermunicipal.

    Também foram reajustadas as tarifas dos ônibus intermunicipais das regiões metropolitanas de São Paulo, Campinas e Baixada Santista. A média de reajuste das tarifas --que depende da distância percorrida pelas linhas-- em São Paulo foi de 7,66%; na Baixada, 6,94%; em Campinas, de 6,23%.

    As 13 linhas do Corredor Metropolitano São Mateus-Jabaquara, operadas pela concessionária Metra, tiveram suas tarifas alteradas de R$ 2,65 para R$ 2,90. O ônibus executivo que liga o aeroporto de Guarulhos a diversos pontos da capital também foi reajustado em 6,5% --de R$ 31 para R$ 33. A linha que interliga a estação Tatuapé do metrô ao aeroporto foi reajustada em 6,06%, passando de R$ 3,80 para R$ 4,05.

    Educação foi o grupo que apresentou maior desaceleração: em janeiro teve alta de 5,61% e em fevereiro recuou para 0,32%. Também desaceleraram os grupos alimentação (de 0,73% em janeiro para - 0,17 em fevereiro) e vestuário (de 0,04% para -0,03).

    Os outros grupos apresentaram alta. Habitação passou de 0,41% em janeiro para 0,72% e saúde acelerou de 0,39% para 0,72%.

    O IPC mede a variação dos preços no município de São Paulo de famílias com renda até 20 salários mínimos.

    Fonte: Folha