• publicado em 21.01.2011
  • Copom sobe juros para 11,25%
  • Juros retornaram ao patamar vigente em março de 2009

    Em sua primeira reunião do Comitê de Política Menetária (Copom) como presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini fez o que era esperado pelo mercado, e confirmou seu compromisso com o combate à inflação. Em decisão unânime, a autoridade mentária elevou a Selic em 0,50 ponto percentual, para o patamar de 11,25% ao ano.

    "O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic para 11,25% a.a., sem viés, dando início a um processo de ajuste da taxa básica de juros, cujos efeitos, somados aos de ações macroprudenciais, contribuirão para que a inflação convirja para a trajetória de metas", afirmou o comitê, em nota.

    Em dezembro, já foram anunciadas medidas para restringir os financiamentos com prazos superiores a 24 meses e para tirar a última parte do dinheiro injetado na economia durante a crise de 2008.
    Hoje, a inflação está próxima de 6%, acima do objetivo de 4,5% fixado pelo governo.

    EXPECTATIVAS
    As duas próximas reuniões do Copom acontecem nos dias 2 de março e 20 de abril. A aposta do mercado financeiro é que o juro voltará a subir nestas reuniões e só volte a cair em 2012.

    O corte no Orçamento será anunciado pelo governo em fevereiro, podendo chegar a R$ 50 bilhões, outra medida para ajudar a segurar a demanda e a inflação no país.
    Os juros retornaram ao patamar em que estavam em março de 2009. Ainda naquele ano, por causa da crise, chegariam ao menor nível da história (8,75% ao ano), mas voltaria a subir em 2010.

    A taxa básica determina o custo do dinheiro para os bancos e, por isso, serve de base para os juros dos empréstimos a empresas e consumidores, cuja taxa média está hoje próxima de 35% ao ano.

    A Selic é também um dos principais instrumentos que o BC tem para tentar controlar o ritmo de crescimento da economia e a inflação.

    Fonte: Emobile