• publicado em 17.01.2011
  • Mercado de abrasivos
  • Prevê crescimento em 2011
  • De acordo com a indústria, pressões do mercado externo não impedem crescimento do setor

    O setor de abrasivos no Brasil dever ter um aumento no faturamento no ano de 2011. A expectativa é do Sindicato das Indústrias de Abrasivos do Estado de São Paulo (Sinaesp), que acredita que após um período de incertezas - ocasionado pela crise mundial ao longo dos últimos anos - o setor deve se desenvolver e conquistar novos mercados em 2011.

    De acordo com o presidente da Sinaesp, Reinaldo Monteiro, a expectativa é superar os desafios enfrentados em 2010, colocando no mercado produtos com qualidade para enfrentar a concorrência externa. "Há uma forte concorrência dos produtos importados com tendência de crescimento. A competitividade da indústria brasileira dependerá de investimentos tecnológicos e da preparação de mão de obra especializada", afirma.

    Especialistas preveem um crescimento econômico mais lento em 2011, em comparação a 2010, mas Monteiro diz que o mercado segue otimista. Para o presidente, as empresas devem focar em ações estratégicas buscando se desenvolver de forma satisfatória. Segundo ele, as pressões econômicas, o aumento dos custos variáveis, a carga tributária e a guerra cambial entre os Estados, são elementos desafiadores que o setor deve enfrentar durante o ano, mas para o presidente, a expectativa é que as empresas superem estes desafios. "Estamos otimistas para este ano", diz Monteiro.

    A opinião é compartilhada pelo coordenador de marketing da Norton Abrasivos, Christian Miranda Navarro. Segundo Navarro, a empresa também está otimista para o ano de 2011. Ele aponta o aumento do potencial de compra das classes C e D, o crédito facilitado e o bom momento da construção civil como fatores que devem potencializar o desenvolvimento do setor moveleiro. "Estes índices mostram que a economia brasileira deve continuar crescendo, o que nos faz acreditar que segmentos como os das indústrias moveleira e da madeira seguirão o mesmo caminho", afirma.

    Aliado a esta expectativa, Navarro ressalta que a Norton não vislumbra uma desaceleração da economia a médio prazo o que tem feito com que a empresa continue investindo no desenvolvimento de sua linha de produção, atendendo o potencial do mercado moveleiro. "Prosseguimos trabalhando e investindo no desenvolvimento de novos produtos capazes de atender às necessidades da cada vez mais sofisticada indústria moveleira do Brasil”, conclui.

    Fonte: Emobile