• publicado em 14.01.2011
  • Mercado interno continua sendo o foco
  • Polo paulista espera fortalecimento do setor em 2011
  • O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) divulgou nesta primeira semana de janeiro que a balança comercial brasileira fechou 2010 com um superávit de US$ 20,1 bilhões. O resultado superou a expectativa do governo que era de US$ 15 bilhões. Mesmo com o resultado, para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o saldo positivo da balança comercial será de apenas US$ 4 bilhões.

    Para o presidente do Sindicato da Indústria do Mobiliário de São Paulo (Sindimov), Pierre Alain Stauffenegger, o foco das indústrias do setor continua sendo o mercado interno. Segundo ele, o setor moveleiro da região tem ampliando seu volume de exportação, mas os números ainda são pequenos, agravados principalmente pela taxa de câmbio, que desfavorece importações. Apesar disto, o presidente se mostra otimista para o ano de 2011, "O mundo está passando por profundas transformações e adequações econômicas. Mas sempre haverá espaço para empresas que tenham seu foco no mercado internacional.", afirma.

    Para Stauffenegger, mesmo com o baixo volume de exportações, o cenário atual favorece o desenvolvimento do mercado interno e a perspectiva é que as empresas continuem se desenvolvendo em 2011. "Notadamente, somos constituídos de micro e pequenas empresas, fabricantes de móveis sob medida e indústrias de móveis corporativos, o cenário é positivo e vislumbro que teremos um ano muito ativo", afirma.


    Participações em feiras do setor moveleiro expõe novas tendências do mercado


    O presidente do Sindimov exaltou a grande importância da participação das indústrias em feiras do setor moveleiro. Para Stauffenegger, as empresas da região (capital e mais 12 municípios adjacentes, com exceção do grande ABC paulista) são mais voltadas para o consumidor final e não para logistas, que é o foco da empresa. Apesar disto, acredita que a participação das indústrias nas Feiras Nacionais é uma excelente oportunidade de acompanhar as tendências do mercado. "A participação nas feiras faz com que as indústrias possam expor seus produtos, num ambiente propício e facilitador na geração de negócios, de forma que possam acompanhar e observar tendências de diversas regiões do país.", conclui.

    Fonte: Emobile