• publicado em 12.01.2011
  • Faturamento das MPEs de SP
  • Deve ter alta recorde em 2010, diz Sebrae
  •    

    Perspectiva é que o faturamento de 2010 cresça 8% frente ao ano anterior.
    Alta de 5,5% em novembro foi o melhor resultado para o mês desde 2004.

    As micro e pequenas empresas (MPEs) de São Paulo devem fechar 2010 com um aumento de 8% no faturamento real (descontado a inflação) na comparação com o ano anterior. A projeção é do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP), que antecipou ao G1 os números fechados de novembro, que apontaram uma expansão de 5,5% no mês sobre igual período de 2009.

    “Olhando o acumulado no ano, 2010 será um ano inesquecível. Ainda não fechamos os números de dezembro, mas já podemos dizer que o comércio teve o melhor Natal dos últimos tempos”, afirma Ricardo Tortorella, diretor superintendente do Sebrae-SP.

    Confirmada a previsão de crescimento de 8% em 2010, será o maior avanço anual desde o início da série histórica da pesquisa do Sebrae, iniciada em 1998.

    “O crescimento da micro e pequena empresa foi maior que o PIB, o que mostra que o setor não só saiu antes da crise como também foi menos afetado”, afirma Tortorella. “As MPEs passaram a ser parte da cadeia de fornecedores da grande indústria. Hoje, de cada R$ 100 do PIB, R$ 20 vêm da micro e pequena empresa”.

    O superintendente do Sebrae destaca que de cada 100 empregos com carteira assinada abertos no país, 60 são no setor. O salário médio pago pelas MPEs, no entanto, não costuma chegar à metade do valor pago pelas grandes empresas. “Quando as micro e pequenas empresas crescem acima do PIB estamos garantindo o nível de emprego e possibilitando que o salário médio cresça”, diz.

    Em novembro, a receita total das empresas atingiu R$ 26,8 bilhões, R$ 1,2 bilhão a mais que o apurado em outubro de 2010 e R$ 1,4 bilhão acima do patamar registrado em novembro de 2009. É o melhor resultado para um mês de novembro desde 2004. Trata-se do 14º mês consecutivo com aumento real na receita das MPEs. Por segmentos, houve crescimento de 17,8% nos serviços, alta de 3,5% no comércio e queda de 3,8% na indústria.

    Setor de serviços é destaque do ano
    O setor de serviços deve fechar 2010 com um avanço entre 15% e 16%, beneficiado pelo aquecimento do mercado interno e pelo aumento da demanda por serviços. Na cidade de São Paulo, o Sebrae prevê que o número de PMEs do setor de serviços irá superar o do setor de comércio em 2011.