• publicado em 03.12.2010
  • Fiesp organiza evento
  • Contra a reedição da CPMF
  • A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) realiza hoje (03), um ato público contra o retorno da CPMF  (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), em São Paulo. Representantes do setor produtivo, sociedade civil e de muitos sindicatos estarão presentes e assinarão um documento que comprovará a posição dos participantes em relação a volta do imposto.

    O diretor regional da Fiesp, Ricardo Zaccarelli, que participará do evento relata “é importante frisar que a arrecadação da CPMF acontecia em forma de cascata, atingindo de forma injusta grande parte da sociedade, pois não considerava a capacidade de contribuição de cada cidadão.”

    Ricardo conta que seu desejo, como diretor regional, é que possa acontecer uma reforma tributária, onde os recursos arrecadados sejam, realmente, destinados à saúde.

    Ele ainda acrescenta que “nos 11 anos em que vigorou, não houve grandes resultados positivos na saúde se comparados a considerável arrecadação gerada pela CPMF (R$258 bilhões), muito em razão de desvios alicerçados na DRU (Desvinculação da Receitas da União), que propicia ao Governo realocar 20% de seu orçamento conforme sua conveniência.”

    De acordo com site da Fiesp, os brasileiros não podem permitir que mais um tributo seja incluído em seu orçamento, além de prejudicar o desenvolvimento do país.

    Em 2007, a Fiesp liderou a ação a favor da extinção do “imposto do cheque”,  recolhendo 1,3 milhões de  assinaturas em todos os  estados do Brasil. Realizaram manifestos em diversas cidades para que as pessoas se mobilizassem contra a prorrogação da contribuição.

    O assunto tornou-se alvo das discussões desde quando o governo cogitou a possibilidade da volta da CPMF, pois acredita que essa arrecadação trará maiores benefícios à saúde, uma vez que, essa área possui ainda, muita carência na realização de exames complexos.

    Assessoria Airvo/Sindimob- Jéssica Santos