• publicado em 01.09.2010
  • Investimentos
  • Bovespa foi pior aplicação do mês enquanto ouro teve o maior ganh
  • A Bolsa de Valores decepcionou o investidor animado com o forte retorno de julho (maior variação mensal desde maio de 2009). O "termômetro" do mercado brasileiro de ações mostrou uma desvalorização de 3,5% em agosto, ocupando com folga o posto de pior aplicação do mês.

    O dólar, outro aplicação de risco, mal saiu do lugar --a cotação subiu apenas 0,06%, insuficiente para cobrir a inflação do período --0,77%, pela leitura do IGP-M.

    Na ponta oposta, a commodity ouro subiu da "lanterna" para o "topo" do ranking de investimentos mais rentáveis, apresentando variação de 3,58% neste mês, favorecida por seu "papel" de refúgio em momentos de incerteza.

    O dólar, por sua vez, mal saiu do "lugar", tendo leve alta de 0,06% em agosto. As aplicações de renda fixa tiveram melhor desempenho --o CDB, produto tradicional dos bancos, teve retorno médio de 0,93% em agosto, enquanto a poupança tem rentabilidade calculada em 0,59%.

    A inflação do período foi de 0,77%, pela referência do IGP-M (que embute os preços de atacado, varejo e da construção civil).

     

    RENTABILIDADE ANUAL

     

    A Bolsa de Valores ainda desaponta num horizonte de tempo mais amplo: de janeiro a agosto, o índice Ibovespa amarga perdas de 5%. A cotação da moeda americana subiu apenas 0,80% enquanto a commodity ouro ficou 18,9% mais cara em oito meses.

    A taxa do CDB acumula ganho de 6,32% no acumulado deste ano, enquanto a poupança tem retorno estimado de 4,48% para o mesmo período. Ambos, no entanto, insuficientes para cobrir a inflação de 6,66% (IGP-M), contabilizada para os oito primeiros meses deste ano.

     

    Folha.com