• publicado em 03.08.2010
  • Produção industrial cai 1% em junho
  • Essa foi à terceira queda consecutiva, aponta IBGE
  • A produção industrial teve queda de 1% em junho, quando comparada ao mês anterior, maio, descontadas as influências sazonais, segundo divulgou nesta terça-feira (2) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa foi a terceira taxa negativa consecutiva. A perda acumulada  nos três meses do período (abril, maio e junho) é de 2,0%.

     

     De acordo com o levantamento, em relação a junho do ano passado, houve expansão de 11,1%, a menor marca desde os 5,3% assinalados em novembro do ano passado. Com isso, o acumulado no ano,16,2%, ficou abaixo do registrado nos últimos meses. Nos últimos 12 meses, o acumulado ficou em 6,5%, acentuando o ritmo de crescimento em relação a maio (4,5%).

    Setores

    Entre os setores pesquisados pelo IBGE, o principal impacto negativo veio de outros produtos químicos (-4,4%), seguido por máquinas para escritório e equipamentos de informática (-11,6%), alimentos (-1,6%), produtos de metal (-5,2%), material eletrônico e equipamentos de comunicações (-4,9%), farmacêutica (-3,4%) e veículos automotores (-1,1%).

    Entre as sete atividades que avançaram a produção, refino de petróleo e produção de álcool (2,6%), edição e impressão (2,9%) e bebidas (2,6%) exerceram as influências positivas mais importantes.

    Em relação ao mês anterior, a queda mais acentuada foi registrada em bens de consumo duráveis, 3,2%. O segmento de bens de capital recuou 2,1%. Os setores produtores de bens de consumo semi e não duráveis (-0,8%) e de bens intermediários (-0,7%) também registraram índices negativos.

     

    Expansão

    Na comparação com junho do ano passado, a produção industrial mostrou expansão de 11,1%. A maior parte dos 27 setores apontaram taxas positivas. Os impactos positivos mais relevantes vieram de veículos automotores (22,3%) e de máquinas e equipamentos (38,6%).

    Entre as atividades que tiveram recuo na produção, as que mais influenciaram negativamente a indústria geral foram farmacêutica (-7,5%), fumo (-10,4%) e outros equipamentos de transporte (-3,6%).

    Na avaliação do IBGE, o resultado de junho reforça os sinais de redução no ritmo da atividade fabril, que marca o terceiro mês consecutivo de queda frente ao mês anterior na série ajustada sazonalmente.

    "Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, ainda na série com ajuste sazonal, a produção industrial cresce há cinco períodos consecutivos, mas apresenta diminuição no ritmo de crescimento, ao passar de 4,1% no último trimestre do ano passado e 3,0% no primeiro deste ano para 1,4% no segundo trimestre de 2010", disse em nota.

     

    Do G1, Portal de Notícias da Globo