• publicado em 26.03.2010
  • IPI para móveis fica em 5%
  • Nova alíquota de IPI para móveis fica em 5% a partir de abril
  • Airvo – Associação Industrial da Região de Votuporanga e do Sindimob – Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Votuporanga tem a satisfação de informar que a nova alíquota de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) será de 5% para todo o setor moveleiro, a partir de abril, a conquista foi anunciada pelo Ministério da Fazenda, nesta sexta-feira dia 26/03. Inclusive os produtos, tais como, estofados e cadeiras, que eram de 10%, também se enquadram nesta nova alíquota. Essa conquista só pode ser concretizada mediante o associativismo. Que fortalecido, é o caminho mais eficiente rumo ao desenvolvimento das indústrias e ao crescimento da economia nacional.

    Segundo o presidente da Airvo/Sindimob José Carlos de Melo, está conquista deve-se ao esforço conjunto entre ABIMÓVEL, SINDIMOB e a todos os sindicatos e associações. ”Essa redução foi uma grande conquista para o setor moveleiro de todo pais, é uma reivindicação que lutamos há mais de cinco anos, passou por dois governos e finalmente conseguimos. Estou muito satisfeito”.

    A Fazenda também informou que a alíquota de IPI sobre painéis de madeira (inclusive de madeira maciça), aglomerados de madeira e placas laminadas também será de 5%. Os benefícios concedidos ao setor de moveis acabariam no próximo dia 31.

    Para o ex-presidente da Airvo/Sindimob e atual presidente do conselho Consultivo da Airvo e diretor Adjunto administrativo da Sindimob, Sergio Luiz Braga. ”O setor de estofados considera que agora foi feita justiça tributaria, pois a alíquota de 10% era abusiva e trazia grandes prejuízos ao setor. Temos certeza que esta redução incentivará o aumento das vendas de estofados, empregos e conseqüentemente a renda para o país”.

    De acordo com comunicado do Ministério da Fazenda, o decreto com a especificação do IPI por código de produto será publicado até o dia 31 deste mês. A Receita Federal está calculando o impacto da medida na arrecadação. Os números ainda devem ser divulgados. 

     Ariane Pontes