• publicado em 07.12.2009
  • Número de doenças auditivas na indústria cai
  • Segundo dados do programa de segurança e medicina do trabalho
  • audiometria

     

    Por Monaliza Pelicioni

     

    Segundo dados do programa de segurança e medicina do trabalho da Associação Industrial da Região de Votuporanga/Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Votuporanga, o número de doenças auditivas nos trabalhadores industriais caiu em comparação ao ano passado.

    O resultado se deve ao desempenho de profissionais do programa e conscientização dos funcionários, por meio de palestras explicativas e treinamentos.

    De acordo com a técnica de segurança do trabalho da Associação/Sindicato, Lussandra Zanardi no ano de 2009 muitas indústrias não apresentaram nenhum caso da doença.

    Para que seja constatado o problema de audição, o trabalhador deve realizar a audiometria ocupacional no ato da admissão, periodicamente e demissão. O exame quantifica o grau dos limiares auditivos. A realização dura em média de 10 a 15 minutos, essa duração varia de cada pessoa, pois depende da resposta do examinado.

    A fonoaudióloga Juliana Monteiro, responsável pela realização do exame na Associação/Sindicato, explica que a Perda Auditiva Induzida por Ruído Ocupacional (PAIRO) é um dos problemas mais sérios do trabalhador.
     “É pelo exame que sabemos se a pessoa tem um problema auditivo e se este problema está piorando,” falou.

    De acordo com a fonoaudióloga, a audição é o primeiro sentido a se estabelecer em nossa formação, antes mesmo de nascermos ela nos permite conhecer todos os sons. “Ouvir bem é fundamental para um bom desenvolvimento da nossa comunicação,” disse.

    Para ela a perda auditiva é uma das doenças mais comuns da atualidade. Os ruídos de uma sociedade cada vez mais barulhenta são alguns dos fatores que contribuem para o surgimento da doença. “O ouvido humano é um órgão precioso e por isso merece  cuidado especial. É responsável por nossa audição e nos proporciona sensações incríveis, como escutar uma boa música, o som dos pássaros, ou até mesmo uma conversa entre amigos,” afirmou Juliana.
    A audiometria é realizada por meio do PCA – Programa de conservação auditiva, em função das perdas auditivas e controle de ruído, um dos projetos do programa de segurança e medicina do trabalho, implantado na Airvo/Sindimob no início de 1997. No primeiro ano, ele contava apenas com os serviços profissionais de um técnico de segurança e um médico do trabalho.

    Hoje, a equipe é composta por uma fonoaudióloga, que realiza audiometria – exame que constata qual é a capacidade auditiva do funcionário; por um engenheiro de segurança, que elabora os laudos de insalubridade e periculosidade; um médico do trabalho, que é o responsável pela saúde ocupacional; uma técnica de segurança, responsável pela auditoria das empresas associadas e uma fisioterapeuta, que desenvolve os exames de espirometria.

    Para o presidente da Airvo/Sindimob, Sérgio Luiz Braga, a implantação do programa de segurança e medicina do trabalho foi de acordo com as normas regulamentadoras do ministério do trabalho e da previdência social. “O objetivo é orientar e ajudar o empresário a cumprir a legislação de forma precisa”, finalizou.

     

     

    Astrel foi uma das indústrias que mais teve resultados positivos

     

    A Indústria e fabricante de equipamentos para corte de chapas, Astrel foi um dos destaques do balanço anual. A empresa não apresentou nenhum caso da doença.

    De acordo com a diretora, Rosimeire Fernandes de Aquino Francisco todos seus colaboradores usam os equipamentos de segurança de forma correta, o que evita acidentes de trabalho e a perda auditiva. “Nossa empresa leva em consideração o tempo de exposição ao ruído, no entanto, recomendamos o uso de protetores auditivos de inserção (espuma, silicone) nos trabalhos diários,” disse a empresária. Para ela, a audição é o elemento primordial no controle da linguagem falada.