• publicado em 28.09.2009
  • Trabalhador brasileiro passa mais tempo na escola
  • Aumenta número de pessoas empregadas com mais de onze anos de estudo, divulga IBGE
  • Agência Brasil

    A melhora da escolaridade dos trabalhadores no Brasil foi um dos itens apontados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a entidade, o contingente de ocupados com 11 anos ou mais de estudo (ensino médio completo) passou de 39%, em 2007, para 41,2%, em 2008, totalizando 38,1 milhões de pessoas.

    As regiões Norte e Nordeste apresentaram crescimentos bem acima da média. Enquanto isso, o Sudeste teve o menor crescimento, apesar disso, a região é a que concentra o maior contingente de ocupados com onze anos ou mais de estudo (48,4%), o que representou, em 2008, 19,1 milhões de pessoas. Já no Norte a participação era de 35,3% (2,4 milhões de pessoas) e no Nordeste, 30,5% (7,5 milhões de pessoas).

    Baixa escolaridade
    Já entre as pessoas ocupadas com menos de onze anos de estudo, a Pnad 2008 mostrou outro dado importante. Dentre o total de trabalhadores brasileiros que, conforme divulgado no eMobile no último dia 18/9, foi de 92,4 milhões de pessoas no ano passado, 7,8 milhões (ou seja, 8,4%) não tinham instrução ou tinham menos de um ano de estudo. Entre os que tinham de um a três anos de estudo ficaram 8,6 milhões de pessoas (9,3%). De quatro a sete anos de estudo somavam 21,8 milhões de pessoas (23,6%). E, por último, de 8 a 10 anos de escolaridade eram 16 milhões de pessoas (17,3%).

    As participações dos grupos de um a três anos de estudo e de quatro a sete anos de estudo diminuíram em 7,8% e 1,8%, respectivamente, em comparação a 2007. Regionalmente, o Nordeste apresentou a maior redução no grupo de um a três anos de estudo (-12,9%), seguido pelas regiões Sul (-11,6%), Centro-Oeste (-9,7%) e Sudeste (-2,2%). Comportamento diverso, contudo, ocorreu na região Norte, onde houve crescimento de 4,4% do contingente de pessoas que estudaram apenas de um a três anos.