• publicado em 11.06.2018
  • Preço dos móveis sobe forte em maio
  • Comportamento no preço por região e por segmento sofre intensa variação
  • IPCA

    O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês de maio foi de 0,40% e ficou 0,18 ponto percentual (p.p.) acima da taxa de 0,22% registrada em abril. O acumulado no ano (1,33%) foi o menor para um mês de maio desde a implantação do Plano Real. O acumulado nos últimos 12 meses subiu para 2,86%, enquanto havia registrado 2,76% nos 12 meses imediatamente anteriores. Em maio de 2017, a taxa atingiu 0,31%.

     

    O setor de móveis acompanhou praticamente a variação média do IPCA em maio. Ficou em 0,37%, 0,10 p.p. acima da taxa de abril. A alta do 5º mês de 2018 colocou em terreno positivo as taxas do acumulado do ano (0,30%) e de 12 meses (0,20%). No acumulado de 12 meses, a taxa não se apresentava positiva desde junho de 2016, quando registrou alta de 0,30%.

     

    A partir de maio, além das 13 regiões que vinham sendo pesquisadas até então, o IBGE acrescentou mais três (Rio Branco-AC, São Luis-MA e Aracaju-SE), perfazendo agora 15 regiões pesquisadas para formação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Este fato traz algumas implicações nos índices do acumulado do ano e de 12 meses, uma vez que estas áreas não eram consideradas antes.

     

    Comportamento regional

    O setor moveleiro apresenta variação significativa nas diversas regiões pesquisadas. Em Porto Alegre, por exemplo, em maio registrou alta de 1,38%, enquanto em Curitiba, outra capital da região Sul, o IPCA está em queda de 0,21%. A mesma situação ocorre na região Sudeste, com Vitória registrando 2,08% e São Paulo apresentando queda de 0,41%. Na região Centro-Oeste, Campo Grande registra a maior alta, com 1,58% e Goiânia apresenta queda de 0,20%. Na região Nordeste, dos 9 estados, cinco são pesquisados. Destes, a maior alta em maio ocorreu em Salvador, com 2,40% e a maior queda em Aracaju, com 2,07%. Finalmente, a região Norte, com sete estados tem duas capitais pesquisadas: Rio Branco, que registrou queda de 2,40% no preço do mobiliário em maio e Belém, onde se verificou estabilidade nos preços, sem variação do IPCA.

     

    Comportamento setorial

    Assim como o comportamento por região, o setorial também sofre intensa variação. Porém, colchão lidera a alta em nove das 15 regiões pesquisadas. Na média nacional, fica com alta de 1,20%, a maior do setor. O segmento de móveis infantil está no outro extremo: registra deflação em todas as regiões pesquisadas e em nível nacional registra em maio queda de 0,35%.

     

    Veja abaixo o quadro complemento do IPCA geral e de mobiliário em maio:


    fonte:-https://www.moveisdevalor.com.br/portal/preco-dos-moveis-sobe-forte-em-maio