• publicado em 09.04.2012
  • Setor espera medidas mais consistentes
  • Medidas de incentivo à indústria, anunciadas pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, na última terça-feira (03/04), em Brasília, deixaram alguns setores animados com a possibilidade de recuperação do mercado. A desoneração da folha de pagamento foi um dos pontos mais comemorados, mas o setor moveleiro, por exemplo, espera mais, espera algo mais consistente e duradouro. Para a presidente da Airvo/Sindimob (Associação Industrial da Região de Votuporanga/Sindicato das Indústrias do Mobiliário), Adelia Porto, a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) favorece a produção industrial brasileira. Veja a opinião completa da presidente no link http://www.airvo.com.br/AirvoNews.aspx?Noticia=1008.

    A reforma tributária é um dos pontos mais almejados no meio industrial, inclusive, pelos empresários do setor de móveis. Para o presidente do Sindicato das Indústrias de Móveis de Arapongas (Sima), Nelson Poliseli, a carga de impostos do Brasil é vista como algo insustentável para o desenvolvimento do País. “É preciso que o governo federal elimine todo o IPI de forma definitiva. Estamos passando por um período muito ruim, de baixa produtividade nos últimos meses. Desse jeito não há como ter crescimento na economia, não há como sobreviver nesse mercado. Estamos sendo sugados pelos impostos”, diz.

    Uma das ideias comentadas por Poliseli é a possibilidade de zerar a carga tributária sobre a produção de móveis, já que o setor imobiliário também tem uma tributação pesada e os dois andam de forma alinhada. “Não adianta estimular a construção de imóveis apenas, porque depois de prontos, as pessoas também precisam deixá-los mobiliados. É necessário ter uma estratégia inteligente para não onerar os dois setores com duplicidade, indiretamente”, acrescenta.

    Fonte: emobile.com.br

    Crédito da foto: Reprodução do site da Atraente Móveis (cama box Eloisa)